TEATRO

2017

Fuga no palco do TAS TEATRO

Fuga no palco do TAS

O TAS - Teatro Animação de Setúbal estreia no dia 24, pelas 21h30, no Teatro de Bolso, a nova produção "Fuga", com texto de Rui Zink e encenação de Carlos Curto, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Teatro.

Trata-se de uma tragicomédia provocadora e comunicativa, plena de referências sobre "a condição mais humana de todas, a fuga".

Na sequência de um acidente de automóvel, Roberto, um político ambicioso, vê-se perdido entre dois comícios. Não sabe onde está e procura desesperadamente fugir de duas pessoas que o perseguem e lhe chamam filho.

Na pressa, perseguidos e perseguidores cruzam-se com duas estranhas figuras, uma "louca", que conduz um carrinho de hipermercado dentro do qual transporta o filho, e um toxicodependente provocador.

O espaço vai ganhando contornos mais definidos e estes fugitivos percebem que iniciaram afinal a última viagem.

A "Fuga", com texto de Rui Zink e encenação de Carlos Curto, para maiores de 12 anos, conta no elenco com André Moniz, Célia David, Duarte Victor, Miguel Assis, Sónia Martins e Susana Brito.

A peça do TAS repete, sempre Teatro de Bolso, nos dias 25, às 21h30, e 26, às 16h00, com bilhetes a dez euros, sendo que os menores de 18 anos e os maiores de 65 têm desconto de 50 por cento.

Há ainda uma sessão a 27 de março, Dia Mundial do Teatro, às 21h30, com entrada gratuita mediante marcação através do telefone 265 532 402 ou do endereço geral@tas.pt.

Estão ainda previstas novas sessões em abril, nos dias 1, 2, 7 e 8, às 21h30, a 9 às 16h00, a 28 e 29, às 21h30, e a 30 às 16h00.

“O homem mata a (sua) mulher. A mulher recusa-se a estar morta.O médico faz o parto à mulher morta. A amante pede ao homem para matar a mulher. A amante morre… Não, não. A mulher morre. O Juiz que decida! O homem não está louco. Não está louco. Louco!”


Com encenação de Carlos Curto e interpretação de José Nobre (protagonista), Miguel Assis, Sónia Martins e Célia David. “A Razão” baseia-se no conceito absurdo da obra de Jorge Palinhos “O Auto da Razão”, sátira às relações de violência, intolerância e degradação dos valores humanos em que assentam as relações mais íntimas.

A peça do TAS – Teatro Animação de Setúbal alerta para questões fundamentais da sociedade, vivências e dramas humanos de importância decisiva, relatos anónimos de situações de extrema violência, em contextos diversos e formas díspares, mas tendo em comum um universo complexo de feridas abertas na carne, literalmente.

As imagens e o olhar dos outros, a violência e os espetadores da violência, crimes à vista de todos, ignorados, consentidos tanto com a nossa indiferença, como com a nossa ânsia de protagonismo.

Este espetáculo resulta de uma parceria do TAS com a SEIES – Sociedade para o Estudo e Intervenção em Engenharia Social.



Ficha Técnica:
Encenação – Carlos Curto
Interpretação – José Nobre, Miguel Assis, Sónia Martins, Célia David
Cenografia e Figurinos – Sara Rodrigues
Design de Comunicação – José Teófilo Duarte/DDLX
Fotografias – José Santos e Mariana Dias
Música- Carlos Curto
Desenho de Luz e Som – José Santos
Montagem e Contra Regra – Álvaro Presumido
Carpintaria – Rui Curto
Produção – Célia David
Secretariado – Ângela Rosa


Fórum Municipal Luísa Todi
15 e 16 de Janeiro - 21:30H
17 de Janeiro - 17H
Bilhetes - 5€ plateia | 4€ balcão

Maiores de 12 anos

II Festival Ibérico de Teatro

Estreias e partilha de experiências marcam a participação das companhias cénicas amadoras de Portugal e Espanha que se apresentam no II Festival Ibérico de Teatro, a realizar nos dias 2, 3 e 4 de outubro em Setúbal e Palmela
Conferência de imprensa
 

O certame, que decorre alternadamente entre os dois países da Península Ibérica, é organizado pela Federação Portuguesa de Teatro e pela Confederación de Teatro Amateur “Escenamateur”, sendo que esta edição conta com o envolvimento da companhia GATEM – Grupo de Animação e Teatro Espelho Mágico e os apoios das câmaras municipais de Setúbal e de Palmela.

 

“É uma enorme responsabilidade organizar esta edição, a primeira em Portugal, um evento de âmbito internacional”, destacou o presidente da Federação Portuguesa de Teatro, Luís Mendes, na apresentação pública do certame, hoje à tarde, na Casa da Cultura, em Setúbal.

 

O dirigente sublinhou que a escolha da companhia setubalense GATEM para coorganizar o festival foi feita “em função do trabalho em parceria, com bons resultados, noutras ocasiões e porque a federação, com vários projetos de êxito no âmbito do teatro amador no Norte do País, queria realizar um projeto com impacte significativo também no Sul”.

 

Luís Mendes acrescentou que, com as parcerias das autarquias de Setúbal e Palmela, está garantido “um brilharete nesta primeira edição do festival em Portugal”.

 

O Festival Ibérico de Teatro, criado em 2014, tem como objetivo criar uma plataforma anual de intercâmbio de espetáculos amadores entre Portugal e Espanha, além de facilitar a troca de experiências entre companhias não profissionais de ambos os países.

 

A primeira edição portuguesa do certame distribui o cartaz pelo Fórum Municipal Luísa Todi, em Setúbal, e pelo Cineteatro S. João, em Palmela.

 

O vereador da Cultura da Câmara Municipal de Setúbal, Pedro Pina, frisou a existência de “uma grande expectativa para esta edição” ao reconhecer o mérito e a qualidade do trabalho desenvolvido pelas companhias cénicas de cariz amador.

 

“Setúbal considera essencial garantir as condições para que os artistas desenvolvam o seu trabalho”, salientou o autarca, numa perspetiva partilhada pelo homólogo de Palmela, Luís Miguel Calha, para quem “a Cultura não pode ser vista como um trabalho mercantil”, apontando, ainda, que as autarquias têm substituído o Poder Central, com frequência, na responsabilidade de apoiar as atividades culturais.

 

“O Principezinho”, produzido pelo GATEM, grupo constituído por amadores e profissionais, e encenado por Miguel Assis, abre oficialmente o certame, no dia 2, às 21h30, no Fórum Luísa Todi.

 

Céu Campos, diretora do grupo setubalense, salientou que a história de Saint-Exupéry “fazia parte dos sonhos do GATEM há nove anos” e que“está a ser uma agradável surpresa ver o Fórum Municipal praticamente esgotado” a poucos dias da estreia.

 

Miguel Assis, ator e encenador profissional, sublinhou que o teatro amador, “embora possa ter uma apresentação cénica final com um aspeto um pouco menos ‘rico’ do que o profissional, não exige, em nada, menos dos atores ao nível humano”.

 

A peça, que Miguel Assis destacou “não ser apenas para crianças ou adultos, mas para toda a família”, conta como protagonista Diogo Leiria, de 9 anos, que “surpreendeu desde o primeiro instante no casting”, criança descrita pelo encenador como “uma verdadeira pérola” com futuro no teatro.

 

No Festival de Ibérico de Teatro as peças portuguesas são definidas pela Federação Portuguesa de Teatro, enquanto, as espanholas, pela confederação "Escenamateur".

 

O Grupo Alhama de Teatro, de Navarra, apresenta “El Burgués Gentilhombre” no dia 3, às 18h00, no Cineteatro S. João.

 

No mesmo dia, em Setúbal, às 21h30, no Fórum Municipal Luísa Todi, o grupo Argea Teatro, de Cáceres, apresenta “Las Troyanas – Mujeres en la batalla”.

 

O último dia do certame, 4 de outubro, reserva para as 15h00, no Cineteatro S. João, “Histórias para serem contadas”, do TIL – Teatro Independente de Loures, e, para as 18h00, no Fórum Luísa Todi, “Quatro mulheres para uma Ifigénia”, pela Theatron – Associação Cultural, de Montemor-o-Novo.

 

Festival Internacional de Teatro de Setúbal 
Inaugura com Teatro Estúdio Fontenova a apresentar «O Homúnculo»

Festival Internacional de Teatro de Setúbal <br />
Inaugura com Teatro Estúdio Fontenova a apresentar «O Homúnculo»Mais de três dezenas de espetáculos e outras atividades culturais preenchem o programa do Festival Internacional de Teatro de Setúbal – XVII Festa do Teatro, que se realiza entre 20 de agosto e 5 de setembro.

O festival, dinamizado pelo Teatro Estúdio Fontenova em parceria com a Câmara Municipal, conta com a participação de várias companhias cénicas portuguesas, oriundas, por exemplo de Setúbal, Lisboa, Sintra, Amadora, Covilhã, Faro e Beja, mas também estrangeiras, caso das representações de Espanha, Brasil e Alemanha, incluindo uma coprodução luso-germânica.

O certame vai muito além dos espetáculos teatrais, com o cartaz a reservar igualmente tertúlias, sessões de cinema e concertos.

A XVII Festa do Teatro começa precisamente com um apontamento musical, a 20 de agosto, pelas 19h00, nos claustros do Convento de Jesus.

O dia inaugural termina com o Teatro Estúdio Fontenova a apresentar, pelas 22h00, no Fórum Municipal Luísa Todi, a produção “O Homúnculo”.

A companhia Um Coletivo leva “A Mais Terna Ilusão” num dos palcos da Escola Secundária Sebastião da Gama, às 19h00 do dia 21, seguindo-se, às 22h00, no outro palco do estabelecimento de ensino, “E a cabeça tem de ficar”, pela Chão de Oliva.

O dia 21 inclui uma sessão de cinema, às 22h00, no Parque Urbano de Albarquel, e um concerto de Tio Rex, às 23h30, no Pátio do Dimas, localizado na Casa da Cultura.

O lançamento do livro “Teatro”, de Lucianno Maza, às 16h00, na Sala José Afonso da Casa da Cultura, marca o início do programa no dia 22 de agosto, data em que o Teatro das Beiras apresenta “LOA, Xácara e Bugiganga”, às 22h00, no Parque do Bonfim, e Pedro Luzindro conduz um espetáculo de stand up comedy, às 23h30, no Pátio do Dimas, igualmente na Casa da Cultura.

O Colectivo Sophiemarie leva a cena “A menina é má”, às 19h00 do dia 23, no Auditório da Secundária Sebastião da Gama, e a Culturproject e os Artistas Unidos apresentam a coprodução “Misterman”, às 22h00, no ginásio da escola.

O dia 24, mais calmo, reserva “Conversas de Teatro” para as 19h00, na Pastelaria e Bistrot Ritália & Bocage, tertúlia em que participa Lucianno Maza, Rogério de Carvalho e Sofia Berberau.

A 25 a ACTA apresenta “Nossa Senhora da Acoteia”, às 22h00, na Escola Sebastião da Gama, e a 26 o Teatro Estúdio Fontenova encena, às 22h00, no Fórum Luísa Todi, em estreia absoluta, a peça “Carne Viva”.

Já no dia 27 sobem aos palcos da Secundária Sebastião da Gama, às 19h00, o Armazém Malier Teatro, com “Armazém 33”, e, às 22h00, Lendias D’Encantar, com “No limite da dor”. O dia termina com o Circus VangBunt a apresentar, às 23h30, no Pátio do Dimas da Casa da Cultura, “Metamorfose ambulante”.

Tânia Alexandre apresenta “Café simétrico, visto pela assimetria dos pensamentos dela” no dia 28, às 19h00, na Ritália & Bocage, seguindo-se a Companhia de Teatro de Almada com “Canções de Brecht”, às 22h00, no Fórum Luísa Todi.

A terminar o programa de 28 de agosto, há uma sessão de cinema, às 22h00, no Parque Urbano de Albarquel, e, às 23h30, um concerto com Moniztico, que interpreta a mixtape “Boca de Cena”, no Pátio do Dimas da Casa da Cultura.

O dia 29 inclui a encenação com Paula Moita e Ricardo Campos intitulada “COR PO”, às 19h00, no Auditório da Sebastião da Gama, o Teatro Mosca, com “Moby-Dick”, às 22h00, no ginásio da mesma escola, e, no Largo da Ribeira Velha, a “Metamorfose Ambulante”, do Circus VangBunt, às 22h00, e um concerto dos Kalafate, às 23h30.

A 33 Ânimos apresenta “Dix” no dia 30, às 19h00, na Sebastião da Gama, enquanto os Artistas Unidos sobem ao palco com “Os Acontecimentos”, às 22h00, no Fórum Luísa Todi.

A companhia Vinícius Piedade & CIA interpreta a peça “4 Estações” no dia 1 de setembro, às 22h00, no Ginásio da Sebastião da Gama, seguindo-se, no dia 2, às 22h00, no Fórum Luísa Todi, Tiago Bôto e Wagner Borges com “Não_Corpo”, bem como uma mostra de curtas-metragens, pela associação Experimentáculo, às 23h30, na Casa da Cultura.

Para o dia 3 de setembro a XVII Festa do Teatro tem agendado, às 19h00, no bar Taifa, a companhia Passos e Compassos, com “A Velha Ampulheta”, às 22h00, na Sebastião da Gama, os Artistas Unidos, com “Frágil”, e, às 23h30, no Pátio do Dimas da Casa da Cultura, os Piores Artistas Unidos, com “O quê!!”, repetindo-se este espetáculo no dia 4, à mesma hora, no Largo da Ribeira Velha.

A Lapso Produciones apresenta “Sub, el mundo de los ocultos”, dia 4, às 22h00, no Largo do Sapalinho. Segue-se uma sessão de cinema, às 22h00, no Parque Urbano de Albarquel, com curtas de Georges Méliès.

O último dia da XVII Festa do Teatro começa às 19h00, na Casa da Cultura, com a Faísca Teatro a apresentar “Entrevista de emprego”. 

Cabe a La Compañia Atalaya encerrar o programa oficial do festival, subindo ao palco, no dia 5, às 22h00, do Fórum Luísa Todi, para apresentar “Madre Coraje”.

A edição deste ano do festival estende-se até Sesimbra, com o Teatro do Aloés a levar, no dia 28 de agosto, às 22h00, “Manhãs de Quietude”, e Vinícius Piedade & CIA, no dia 29, também às 22h00, “4 Estações”, no Cine-Teatro João Mota.

O programa inclui igualmente tertúlias intituladas “(Re)Cantos”, com encontros do público com artistas, sempre a partir das 23h30, agendados para 20 de agosto, na Ritália & Bocage, dia 26, na Casa da Cultura, e, dia 5 de setembro, no mesmo local.